Viagens
2014-11-03 12:59:38 +0000 2014-11-03 12:59:38 +0000
303

Como é que sabe se os americanos genuineliliteralmente significam o que dizem?

Já me deparei com algumas situações em que um americano diz algo como "Devíamos almoçar um dia destes" ou "Vamos almoçar um dia destes". Ou "você deveria vir me visitar em D.C. (ou Miami ou qualquer outro lugar"); temos ótimos museus (ou comida cubana ou qualquer outra coisa)"

Acontece que, na maioria das vezes, eles não significam isso de verdade. Porque se eu então seguir imediatamente com "Oh, que tal almoçar amanhã?" ou "Oh, você vai estar em Miami no início de dezembro? Eu poderia passar por lá", eles normalmente começam a ficar evasivos e embaraçosos, e voltam para o que parecia ser um convite que acabaram de fazer.

Como posso dizer quando os americanos genuinamente significam o que dizem, especialmente nas situações acima mencionadas?

Talvez isso seja comum não apenas à cultura americana, mas também a algumas outras culturas em todo o mundo, mas foi (e ainda é) muito intrigante para mim e ainda estou tentando descobrir.

Respostas [7]

279
2014-11-03 13:20:44 +0000

Em geral, um convite genuíno é concreto, contendo informações que ajudam a torná-lo realidade. "Gostaria de almoçar amanhã?" é um convite, e poderia ser seguido de "Sim, que tal [restaurante]?" ou "Sim, você tem um lugar em mente?" para aceitar.

Se você respondeu em vez disso com "Não, mas devemos nos encontrar em outra hora", isso poderia ser uma recusa educada, mas "Não, que tal quarta-feira? "

Algo como "Você deveria nos visitar em DC algum dia" não é um convite para visitar DC, mas poderia ser um convite para falar sobre visitar DC. Então, em algum momento mais tarde você poderia ligar para essa pessoa para discutir o assunto. Por exemplo, "Nós já falamos sobre a minha visita a DC antes. Eu estava pensando em vir no próximo mês. Se estiveres por perto, seria bom ver-te." Nesta altura, esperemos que façam um convite.

O objectivo de toda esta dança é evitar que alguma das festas diga: "Não, não quero" ou pior, "Não, não gosto de ti". Ao forçar a questão imediatamente, você está colocando as pessoas na hora, forçando-as a dizer "não" (ou pior, "sim").

(Não sou especialista em cultura americana, mas minha própria cultura também tem estas não-convites, e até onde entendo o significado é o mesmo nos EUA).

279
217
2014-11-03 16:20:30 +0000

Há um ensaio que explica a diferença entre culturas "educadas" e "diretas". Antes de mais nada: Para membros da Anglosphere como americanos, britânicos e canadenses os alemães estão usando o termo "Angelsachsen" (anglo-saxões) que é ligeiramente diferente do significado em inglês, tem uma conotação mais humorística como "Teuton" para os alemães. Como é usado extensivamente no ensaio original, o autor original sugere o uso do termo "English speaker" como tradução, esteja atento à diferença. O ensaio descreve muito bem a diferença cultural entre os falantes de inglês (educados) e os alemães (diretos) em alemão. Eu traduzi o ensaio com a ajuda de outras pessoas, especialmente o usuário Semicolon, porque parece reunir muito interesse.

Por que os americanos (britânicos, canadenses) não dizem o que significam traduzido por Thorsten Siebenborn com permissão do autor original Scot W. Stevenson, um germano-americano "Ei, como você está" pergunta um americano - e fica surpreso quando seu amigo alemão lhe diz que seu furão de estimação foi morto por um carro. "Venha um dia destes!" disse o britânico e fica horrorizado quando o alemão, um dia depois, está realmente diante de sua porta. Os falantes de inglês nem sempre significam o que eles dizem; os alemães, pelo contrário, quase sempre significam. Se essas duas culturas se juntarem, há mais alguns problemas do que apenas o aperto de mão [tradutor: Uma pequena adição ao ensaio: Os alemães apertam as mãos e, subconscientemente, baixam ligeiramente a cabeça, os americanos não => Os americanos são arrogantes, os alemães são giros].

As culturas da Anglosfera falam com um código cultural que exige cortesia. Por exemplo, é considerado rude responder diretamente com "não". Portanto, eles usam frases que qualquer outro falante de inglês entende como "não", mas não significa "não". (Queridas mulheres: Alguns problemas com o "não" parecem mais influenciados pelo género do que pela cultura. Sinto muito.)

Quando uma mulher pergunta à sua melhor namorada se um vestido específico lhe serve, caso a amiga seja alemã, ela pode responder com uma careta: "Tu? Nem por isso" ou "Não sei se isso te serve mesmo." Uma mulher americana estaria mais apta a responder: "O azul não seria melhor para os seus olhos?" -- o que significa que você está parecendo um espantalho anoréctico com um problema de drogas, enquanto uma garota alemã perguntando ficaria com a impressão de que eles estão falando um com o outro. "Olhos"? Porque é que ela está a tagarelar sobre os meus olhos? Eu quero saber se o meu rabo se levanta!"

Outros exemplos: Durante uma discussão com americanos, "Será que esta é realmente a melhor solução?" significa "não". Da mesma forma, "Será que precisamos de mais tempo" ou "talvez queiramos rever algumas partes do projeto" também são negativos. Os americanos ficam perplexos (ou simplesmente zangados) quando os alemães, após uma breve reflexão, respondem: "Não, está tudo bem" e simplesmente continuam. Do ponto de vista do americano, a mensagem foi clara.

As regras também são válidas para a rotina diária. Um canadense educado não lhe dirá que não gosta de um presente porque lhe parece ser indecente, pois poderia ferir seus sentimentos. E isto é -- estamos chegando ao ponto central da história -- em caso de dúvida, mais importante do que a verdade. Por esta razão, ele ou ela lhe diz - se é que alguma vez - codificado em linguagem indireta, e porque se espera que o presenteador conheça o código, ele entende e tudo permanece educado. Não sem uma boa razão, existem os termos "pequena mentira branca" e "mentira educada", que são significativamente mais fracos até do que "mentira branca": estas são culturalmente aceites, mesmo mentiras culturalmente mandatadas.

Isto levanta a questão de como os britânicos & co. reagem se eles realmente gostam do presente. Em resumo: eles se passam. "Olha, querida, eu queria isto desde os meus sete anos, não, quero dizer, antes de eu nascer, espera até os vizinhos verem isso, oh meu Deus!" Vai haver muitos, muitos, many obrigado. Este dia descansará na sua memória para sempre e ele contará aos seus netos sobre isso e será esculpido na sua lápide, etc. Se você é alemão e começa a ter a sensação de que está ficando embaraçoso e começa a suspeitar que sua contraparte está puxando sua perna, tudo estava correto.

Enquanto os felizes falantes de inglês são um pouco extenuantes para os alemães, a situação inversa é mais séria. Um americano que dá um presente a um alemão é quase sempre um pouco abatido, porque os alemães nunca se passam. No livro de código de um falante de inglês, um alemão completamente normal "Muito obrigado" é um sinal de que o presente não foi gostado. O autor precisava consolar vários compatriotas de língua inglesa que voltavam de um encontro com uma mulher alemã: "Ela não gostou do meu presente! O que eu fiz de errado? Eu não entendo". Erm, não, ela gostou muito, mas é alemã. Eles são assim. Casa-te com ela, no entanto.

E agora a parte que pode ser desconfortável para os leitores interessados: As regras ainda são... obrigatório para quem fala inglês em países estrangeiros. "Se você não tem nada agradável para dizer, não diga nada" foi martelado em suas mentes como crianças e assim eles vão segurar a língua sobre qualquer coisa negativa durante seu tempo como convidados. A crítica como convidado é uma das ofensas mais graves da cortesia.

Por essa razão é impossível descobrir o que os falantes de inglês realmente pensam sobre a Alemanha. Se eles forem bem educados, eles irão de qualquer forma dizer que é maravilhoso. Incrível. Ótimo! Qualquer outra resposta seria uma quebra catastrófica de boas maneiras ao usar a toalha de mesa como um lenço e pauzinhos como cotonetes.

Para os alemães isto é frustrante. Depois que o hóspede estiver em um novo país por algum tempo, os alemães esperariam que houvesse coisas que o hóspede não achasse tão boas quanto em seu país de origem -- naturalmente. É esperado na Alemanha que mencione essas coisas "honestamente", porque isso mostra que você tem uma opinião "sofisticada" sobre o mundo e uma mente culta e crítica. As pessoas que acham tudo super, grande e maravilhoso são consideradas burras, crédulas e superficiais - a última é, não sem razão, o principal preconceito alemão sobre os americanos. De uma certa visão americana poderia ser considerado um elogio.

Tais diferenças culturais são conhecidas pela maioria dos alemães em relação a países como o Japão, onde o "não" só existe em um dicionário porque a polícia de comunicação o exige. Por razões desconhecidas, eles não esperam isso de britânicos e americanos. Também não é ensinado nas aulas de inglês, o que permanece um completo mistério para o autor. Como exercício, peço ao leitor que imagine alunos alemães normais de au pair em Londres, Nova York ou Ottawa. Todos eles serão perguntados "Como você gostou da sua estadia?" -- E todos os anos, milhares de crianças alemãs insuspeitas vão esbarrar diretamente na faca cultural.

Quando os alemães em contato frequente com falantes de inglês se tornam conscientes do código, eles são propensos ao pânico. Todas as frases e declarações serão dissecadas: Ele está a falar a sério ou é educado? O que é que eu faço agora? Eu quero o código!

Você precisa perceber que você simplesmente não vai saber algumas coisas. Um bom anfitrião dará sempre a impressão de que a vida mudou um pouco. Se você não consegue lidar com isso, você precisa seguir o trem de pensamentos deles, colocar-se na posição deles e confiar na sua empatia. Se você é convidado, por favor, poupe suas críticas ao seu diário e concentre seus elogios honestos em um ponto - pelo menos, o mais honesto possível. Foi diferente_ significa que foi terrível_, portanto você não pode escapar facilmente.

Uma regra de ouro é o princípio que expliquei acima - comportamento que parece exagerado é mais do que educação (embora tenha cuidado com americanos que vivem na Alemanha por tempo suficiente e agora sabem o que esperar). Há uma útil "regra das três vezes": se um falante de inglês lhe disser algo três vezes ("Please come visit us again!") ou vezes suficientes que você esteja irritado, você pode seguramente assumir que é honesto. Uma vez não significa nada.

No final, você deve saber: Ninguém espera que um convidado estrangeiro exiba um comportamento social completamente correcto. A maioria dos americanos sabe que os alemães são, erm, mais "diretos". Se você não se importa de cumprir estereótipos, você tem uma certa margem de manobra para lidar com as coisas.

Se você conhece as regras ou pelo menos está ciente de sua existência, você poderia quebrá-las de propósito. O mais belo alemão [Tradutor: Sua esposa] às vezes usa a introdução "Eu sou alemão, então eu sinto muito se esta parece ser uma pergunta direta", o que causa o congelamento imediato do sangue de todos os falantes de inglês à distância da audição. Ist der Ruf erst ruiniert..._ [Tradutor: Expressão idiomática alemã que significa que uma vez arruinada a sua reputação, pode deixar de se preocupar com o que os outros pensam]

Ele aconselha que, além da resposta de Max sobre a informação necessária incluída na sua interacção, que repeti-la várias vezes é um indicador de genuinidade. Três vezes é quase obrigatório; uma vez é simples cortesia.

Outra coisa é que em culturas educadas a verdadeira felicidade e a concordância são suscetíveis de parecer exageradas em geral. Se a pessoa em questão não muda muito em relação à sua educação habitual, isso não significa nada; se você tiver a impressão de que ele está fora de controle para a felicidade, isso pode realmente significar "Sim".

Ele também acrescentou que se você pedir algo em que uma resposta negativa contradiga a educação ("Você realmente gostou das suas férias aqui? "

Eu acrescentarei algumas informações gerais porque o autor do blog está bastante surpreso que as pessoas nos países ocidentais esperem que outras pessoas nos países ocidentais ajam da mesma forma. Eles não o fazem.

Pessoas em culturas mais "diretas" como Holanda, Alemanha ou Rússia são bastante simples. Sim significa Sim, Não significa Não. não se espera que ninguém ajuste seu humor para outras pessoas, as pessoas parecem tristes se estão tristes e se estão felizes parecem felizes.

O que você está dizendo será assumido como verdade. Se você como "anglo-saxão" diz: "Venha cá um dia destes!" significa que você literalmente convidou pessoas a visitá-lo em casa! "Escondido" Não é provável que os No's passem despercebidos. Um "Pergunto-me se esta é realmente a melhor solução" significa "Estou bem com isso, mas penso se podemos encontrar uma solução melhor mais tarde". Você será ignorado.

Para pessoas de culturas mais diretas é bastante irritante porque você está operando fora das normas culturais (que na verdade podem ser muito diferentes em culturas educadas) e se você sabe a diferença você deve sempre se perguntar: "Será que ele quer dizer isso"? Para pessoas de culturas educadas, as pessoas de culturas directas parecem ser rudes, desdenhosas e desagradáveis. Um "Não, por favor refaça esta parte novamente" que significa em uma cultura direta "Muito bem, mas esta parte precisa de um pouco de polimento" é uma desgraça completa e uma rejeição_ em uma cultura educada.

217
40
2014-11-04 16:15:29 +0000

Para mim, a chave é a especificidade do convite. O mais vago, claro, diz "algum tempo" - esta é uma luz brilhante que sinaliza que não é um convite real. "Devíamos almoçar um dia destes" não significa absolutamente nada. Do mesmo modo, afirmar que "lhe devemos" uma cerveja ou um café não constitui uma oferta para entregar esse item, nem um convite para ir, agora ou num futuro próximo, a um lugar que venda esse item. São apenas coisas que você diz. É possível que a pessoa que fez essa declaração possa mais tarde dizer "ei, vamos buscar aquela cerveja que lhe devo", que é tanto um convite genuíno como uma clareza que você não está pagando. Mas até que o façam, a declaração geral de gratidão não está ligada a um convite.

Em contraste, "Nós deveríamos almoçar se você vier à minha cidade" é um convite genuíno, sujeito à disponibilidade da pessoa quando você vier à sua cidade. Você os aceita dizendo: "Estou indo à sua cidade de 11 a 15 - há alguma chance de nos encontrarmos para o almoço?" Eles podem muito bem responder que desta vez não podem, mas talvez da próxima vez - e até podem estar a falar a sério. No entanto, declarações sobre o que "devemos fazer" quando você visita a cidade deles não devem fazer você mudar seus planos - se você responder imediatamente com "grande idéia, eu posso estar lá em 3 de dezembro", você vai assustar um pouco a pessoa. Em vez disso, espere alguns dias, depois diga que você decidiu ir para aquela cidade por suas próprias razões (ou seja, não por causa deles ou por causa do que eles disseram) e adoraria incluir vê-los como parte da sua visita. A resposta assustada é porque eles não querem ser responsáveis por você fazer uma visita intermunicipal, não porque eles não querem almoçar com você. (Eu sei, eles apenas acrescentaram um incentivo extra para você visitar a cidade; você deve se sentir lisonjeado que você responda "isso resolve, eu estou visitando aquela cidade imediatamente!" mas, em vez disso, eles se sentem excessivamente responsáveis por toda a visita, o que é desconfortável)

O ainda mais específico "devemos almoçar na próxima semana" é um convite genuíno. Você responde a isso com "ótima idéia, será que terça-feira funciona para você?" ou algo semelhante. Se você não pode fazê-lo nessa semana, mas quer fazê-lo, você deve ter uma sugestão substituta. Talvez "Estou fora todos os dias na próxima semana e não posso fazer almoços, mas podia fazer o pequeno-almoço se fosse na baixa, ou jantar". Ou "A semana que vem é sólida, mas podemos fechar na segunda-feira seguinte para o podermos fazer de certeza?" Se responder com uma razão para não o fazer na próxima semana, e sem data de substituição específica, significa que não quer mesmo fazê-lo.

40
17
2014-11-03 23:52:09 +0000

Na minha experiência, se um americano diz "você deveria me visitar em DC", eles querem dizer isso.

Eu mesmo sou um americano, nascido e criado, e essa tem sido minha experiência por mais de trinta anos. No entanto, sou da zona rural de Nova Iorque, e agora vivo na zona rural da Califórnia. Em ambas as áreas, convites como este são considerados reais. Considerando quantos levantamentos as respostas opostas obtiveram, estou me perguntando agora se esta é uma divisão cultural cityrural.

17
14
2014-11-05 09:23:01 +0000

Como americano, nunca consegui perceber isto. Para pegar alguns exemplos das outras respostas, já ouvi pessoas dizerem coisas como "Você deveria nos visitar em DC algum tempo" ou "Eu lhe devo uma cerveja" e mais tarde descobri que em alguns casos isso não significava nada, enquanto em outros casos eles eram completamente sérios.

Então a única resposta razoável que posso oferecer é que ** você não pode saber** , pelo menos não com certeza. É verdade até certo ponto que, como as outras respostas estão dizendo, uma oferta mais específica é mais provável que seja genuína, mas ainda assim você não pode ter certeza.

Pelo lado positivo, muitos dos americanos que dizem coisas sem sentido também gostam de socializar. Se alguém lhe fizer uma oferta insincere e você realmente a acompanhar, em muitos casos eles estarão realmente interessados. E se eles realmente não querem fazer isso, você será capaz de dizer a partir do comportamento deles: ou eles lhe dirão "não" diretamente, ou eles vão cancelar ou remarcar os planos repetidamente.

14
2
2018-04-28 16:47:27 +0000

É confuso e, como americano, igualmente frustrante para mim. As pessoas parecem querer parecer boas, prestativas, amáveis, carinhosas, etc... quando realmente não são assim tanto. Eles são, essencialmente, fanfarrões na maioria das vezes... fanfarrões, grandes e "graciosos".

O meu conselho? Espere que eles realmente façam um grande negócio... embelezem e se envolvam de verdade, em vez de oferecer um comentário um pouco fora de mão. Mais detalhes, mais verdadeiro entusiasmo, etc. Horas, datas, lugares, etc. E eu não aceitaria "bem, apenas me ligue..." É provável que isso acabe em ser adiado.

Só obtive resultados reais quando a conversa e os comentários continuam e fico mais detalhada e "entusiasmada". Os comentários fora de mão são apenas isso, o ar quente a soprar ao vento. E "algum dia" é muitas vezes um eufemismo para "provavelmente nunca", eu não estava realmente falando sério, eu só queria parecer amigável e generoso.

2
1
2016-08-11 20:35:31 +0000

Em maior medida do que em outras culturas, as expressões americanas são mais "indicativas" do que "firmes". Isso é que você deve tratá-las como "tendências", não como promessas.

Se um americano fala em se reunir para almoçar "algum dia", ela quer dizer uma hora "aleatória". Então a resposta correta não é sugerir uma hora definida, mas perguntar algo como "quando é uma boa hora?". Você pode ter uma resposta do tipo "algum dia no próximo ano", nesse caso, você pode dizer: "Posso te ligar daqui a um ano?" Ou a resposta pode ser "a qualquer momento". Nesse caso, "Posso ligar-te daqui a um ano?" ainda é uma boa frase porque é algo indefinido.

O americano expressou uma preferência para ti sobre algumas outras pessoas, não um absoluto desejo de te ver novamente. Isso significa que você tem "alguma chance" de vê-los novamente, mas não é uma "coisa certa". O americano reservou-se o direito de preferir outra pessoa em vez de você a qualquer momento.

1